O banco de DNA como ferramenta da Segurança Pública

De : Thales Melo | Em : 12 de Set de 2017

a1.png

Bancos de perfis genéticos ainda são subutilizados pelos atores da persecução penal

Marcos de Almeida Camargo

Os recentes casos de violência sexual praticados contra mulheres voltaram, mais uma vez, a chocar o País, somando-se à estatística sombria de impunidade e banalização das ocorrências de crimes sexuais.

Os números são sem dúvida alarmantes. Segundo o 10º anuário brasileiro de segurança pública, é possível que esteja ocorrendo cinco estupros por hora em todo país. Por sua vez, dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA apontam que aconteceriam cerca de 500 mil estupros por ano, dos quais apenas 10% seriam conhecidos das autoridades.

Há décadas, é notório que entre os fatores que dificultam a resolução desses crimes no Brasil, e a consequente punição dos agressores, estão a dificuldade das vítimas em efetivar as denúncias e o despreparo do poder público no primeiro atendimento, tanto do ponto de vista psicológico, quanto da preservação dos vestígios que poderiam servir de prova material para identificação dos agressores.

A despeito do relato da agressão ser suficiente para abertura de uma investigação, a efetiva identificação e condenação dos criminosos passa, imprescindivelmente, pela produção de provas materiais. Em relação aos crimes sexuais, o DNA deixado pelo agressor é o principal material para análise e pode vir a ser usualmente colhido nas roupas e no corpo da vítima, motivo pelo qual ela deve ser orientada, dentro do possível, a procurar imediatamente a delegacia mais próxima, evitar tomar banho antes do exame e, eventualmente, entregar as vestes à perícia criminal.

Ainda em relação ao exame de DNA, é necessário destacar que se trata de uma das mais importantes ferramentas da segurança pública aptas a reduzir a impunidade relacionada a diversos tipos de crimes, principalmente com advento da tecnologia do banco de perfis genéticos. Usado em cerca de 80 países e criado no Brasil em 2013, por intermédio do Decreto n° 7.950/13, permite, por meio da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos – RIBPG, o intercâmbio e o compartilhamento de dados de interesse da Justiça, obtidos pelos laboratórios de perícia oficial de 18 dos 27 estados do país, incluindo o da Polícia Federal.

último relatório da RIBPG, relativo ao primeiro semestre de 2017, apontou cerca de 9 mil perfis genéticos inseridos no banco, sendo que 56% dos vestígios de cena de crime eram relativos à violência sexual; sem dúvida um número significativo, embora bastante dissonante das estatísticas de ocorrência.

Estima-se, ainda, que apenas 2% dos condenados com base no Art. 9º-A da Lei n° 12.654/12, que entre outras medidas obriga à identificação do perfil genético, façam parte dos bancos da RIBPG. Um número ainda menor é observado quanto aos identificados criminalmente em decorrência de decisão judicial, como poderia ter sido aplicado no caso dos recentes ataques sexuais cometidos em São Paulo, possibilitando que o perfil genético do acusado estivesse apto à comparação com outros vestígios similares, de forma a verificar o cometimento de crimes relacionados ou, então, de maneira a possibilitar o cadastro para identificação imediata de autoria no caso de cometimento de crimes futuros, principalmente aqueles que não ocorrem em condição de flagrante.

Infelizmente, a despeito de um elevado investimento público inicial em laboratórios de perícia criminal e de adequada legislação, é fato que os bancos de perfis genéticos ainda são subutilizados pelos atores da persecução penal. Além do problema da subnotificação de crimes sexuais, depara-se com a substituição injustificada das provas materiais por frágeis reconhecimentos – ou seja, os vestígios deixados pelos agressores não são inseridos nos bancos – e também com a tímida coleta de material genético de suspeitos e condenados. Some-se a isso, a necessidade de maior atenção e de investimento continuado para uma estrutura logística adequada ao pleno funcionamento dos bancos, que se encontram vinculados ao Ministério da Justiça.

A exemplo de outros países mais desenvolvidos, e das dificuldades e da subutilização da ferramenta, não são poucos os exemplos de sucesso contra a impunidade obtidos por intermédio do uso dos bancos de perfis genéticos no país. A adequada aplicação dessa estratégia já auxiliou mais de 370 inquéritos policiais e obteve mais de 270 coincidências confirmadas, das quais cerca de 50% envolviam crimes sexuais. Fatos esses comprovadores de que a redução da impunidade, assim como casos de inocentes presos equivocadamente, passam obrigatoriamente pelo fortalecimento da prova pericial e da priorização do uso da ciência no auxílio da Justiça e no desenvolvimento da segurança pública, em especial por meio de políticas mais adequadas e em sintonia com as atuais ferramentas tecnológicas.

Marcos de Almeida Camargo - Presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais

 

Fonte: Jota

Compartilhe: