Polícia Legal: mobilizações do primeiro dia superam expectativas

De : Eliziane | Em : 09 de Jan de 2018

pcma_legal_650x412.jpg

Nesta segunda-feira, 8, a Operação PCMA Legal foi deflagrada pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Maranhão. A decisão pelo “Polícia Legal” foi tomada em assembleia da categoria no mês de dezembro.

Através do movimento, a categoria vai expor as inúmeras deficiências estruturais e institucionais da Polícia Civil. O “Polícia Legal” é alicerçado em um Código de Conduta, que está sendo distribuído nas delegacias. A cartilha da PCMA Legal com todas as recomendações pode ser conferida aqui.

Policiais civis de Timon-Ma

Em Timon, os policiais estiveram presentes no ato, que começou às 7h.

Imprensa faz cobertura do ato Polícia Legal

Vários policiais discursaram e defenderam o PCMA Legal e as reivindicações da categoria. A mobilização ganhou o apoio do presidente do Sinpol-PI e FEIPOL-NE, Constantino Júnior.

18º DRPC de Timon

Ainda em Timon houve a entrega simbólica do manual da “Polícia LEGAL” ao delegado regional e ao Ministério Público.

Ministério Público

Em sua fala, o diretor de Formação Sindical, Neto Waquim, explica que é comum nas delegacias o policial exercer mais de uma função, sobrecarregando a rotina de trabalho sem a devida valorização. “Além disso, a situação salarial é desproporcional dentro do grupo de atividade de Polícia Civil. Continuamos aguardando a sensibilidade do nosso governador que, juntamente com o Secretário de Segurança, visitaram a sede do Sinpol durante campanha eleitoral de 2014. Esses problemas históricos, principalmente a diminuição da disparidade salarial, são urgentes e necessários”, disparou.

Policiais civis de Timon e Presidente do Sinpol-PI e FEIPOL-NE, Constantino Júnior

Dirceu foi um dos mais de 30 policiais de Timon que aderiram ao Polícia Legal. Servidor da segurança há 16 anos, ele reclama que a vida dos policiais está sempre em risco por causas dos procedimentos feitos de forma irregular. “Estamos acostumados a sair para fazer diligências com um administrativo. O administrativo é aquele funcionário cedido pela prefeitura ou pelo Estado, mas não é policial. Ele não tem treinamento, não tem conhecimento das atribuições da polícia judiciária. O mínimo seria sair com dois ou três investigadores.

Diretoria sindical na sede da SSP

Já na capital maranhense, o movimento foi marcado pela “Blitz da Polícia Legal”, que percorreu vários setores da Secretaria de Segurança Pública. A blitz, composta pelo presidente Elton Neves, o vice-presidente Rayol Filho, a diretora jurídica Ruth Reis, a secretária geral Albertina Brandão, e o tesoureiro geral substituto José Torres, teve início na Delegacia Geral da Polícia Civil. Os diretores sindicais foram recebidos pelo Delegado Geral Leonardo Diniz.

Diretoria do Sinpol-Ma e Delegado Geral Leonardo Diniz

Na ocasião, Elton Neves entregou ofício comunicando a deflagração do movimento PCMA Legal. “É um movimento contra o sucateamento da Polícia Civil no estado. Nós adotaremos a postura de só agir caso condições legais de trabalho sejam concedidas”, disse. Ele também repudiou o tratamento diferenciado entre as forças de segurança.

Diretoria do Sinpol-Ma e Superitendente da SPCC, Rodson Almeida

Na Superintendência de Polícia Civil da Capital (SPCC) e na Corregedoria Geral de Segurança, mais uma vez a “Blitz Polícia Legal” entrou em ação. Com os respectivos representantes das pastas, a direção sindical enfatizou que o Governo precisa equipar a Polícia Civil do Maranhão de condições para a prestação do serviço ao público.

Policiais de Peritoró-Ma

O movimento já conta com a adesão de policiais civis das cidades de Peritoró, Santa Helena, Araioses, Carutapera, Alcântara, Timbiras, Colinas, Presidente Dutra, Porto Franco, Mirinzal, Pedreiras e Caxias.

Delegacia de Polícia Civil de Santa Helena-Ma

Durante a campanha, investigadores e escrivães realizarão somente os procedimentos pertinentes à função policial, precisamente estabelecido no Estatuto de Polícia Civil (Lei nº 8.508 de 27 de novembro de 2006). Ou seja, nenhuma atividade que fuja às atribuições pertinentes a cada cargo, será desempenhada pelos profissionais.

Dependências da unidade policial de Araioses

Além de melhores condições de trabalho, a categoria reivindica a diminuição das disparidades salariais. Em um dos pontos da cartilha, o Sinpol-MA orienta ainda que qualquer atividade externa em missão policial, independente da forma e natureza do deslocamento, só deve ser executada mediante expedição da Ordem de Missão Policial (OMP), assinada pelo delegado de polícia.

 

Fonte: Sinpol-MA

Compartilhe: